ALÍPIO GODOY NASCEU PARA SER VIOLEIRO

Por Roberto Bragagnollo

Poeta, compositor, catireiro, sanfoneiro, violeiro e cantador…. Homem de fé, nascido no Matão, bairro tradicional da região rural de Pirassununga, “Seo” Alípio sabia como poucos expressar suas mais sinceras emoções.

Além da inseparável sanfona – ele também tocava viola, violão e cavaquinho -, quando a inspiração se avizinhava, tinha sempre um caderno e um gravador por perto para sacramentar suas criações. E foram muitas. As orações e a música sempre estiveram presentes em sua vida, na maior parte dos seus 90 anos muito bem vividos.

Era um caipira nato e se orgulhava disso. Apaixonado pela moda de viola, “Seo” Alípio era um ouvinte de rádio. E foi por meio desse veículo que o conheci e passei a admirar sua valorosa produção autoral, seus sonhos, sua paixão e o seu entusiasmo pela Terra do Senhor Bom Jesus dos Aflitos. Tive, também, o privilégio de assistir a algumas de suas apresentações.

“Seo” Alípio tinha uma especial admiração por João Negrão, um dos mais importantes violeiros e compositores caipiras – o expoente máximo da cultura caipira de Pirassununga na minha modesta opinião -, que transpôs fronteiras com sua música e seu sucesso. Numa das modas a ele dedicada, “Seo” Alípio expressou a admiração que tinha do amigo João Negrão:

PARA TODOS OS VIOLEIROS
(Alípio Godoy)

Eu inventei esta moda,
Com muita satisfação,
Pra falar de todos os violeiros
Que existe neste mundão.
Pra começar minha trova,
Vou falar de João Negrão.
Foi um grande violeiro,
Junto com seus companheiros
Causava admiração.

RODA DE VIOLEIROS
Na Semana Nenete de Música Sertaneja, no ano de 2005, participou com seu regional da primeira edição da Roda de Violeiros da festa, então apresentada pelos radialistas Nerchinho Cunha e Edison Sidinei Vick.

Um expressivo registro sobre sua história e sua obra está preservado no livro “Nasci para ser violeiro”, lançado em 2010. A publicação foi organizada pela professora Anterita Cristina de Sousa Godoy e pelo Jonas Fernando de Godoy, nora e filho de Alípio Luiz de Godoy.

SEMANA NENETE
Todos os anos “Seo” Alípio e seu grupo eram presenças obrigatórias na Semana Nenete. Após as apresentações na Roda de Violeiros, todos se dirigiam ao Rancho Caipira da Pastoral da Criança, onde protagonizavam animadas seleções, desfilando modas que não se ouviam mais. Eram composições próprias, de João Negrão e tantos outros autores.

O poeta, compositor, catireiro, sanfoneiro, violeiro e cantador Alípio Luiz de Godoy faleceu aos 90 anos no dia 17 de novembro de 2009. Na primeira Semana Nenete sem sua presença, em 2010, a prefeitura e os violeiros, em meio a muita emoção, prestaram-lhe homenagens.

Nesta semana, quando Pirassununga resgata e celebra os valores da Cultura Popular Tradicional por meio da 20ª Semana Nenete de Música Sertaneja, registramos aqui nosso preito de saudade a esse ilustre pirassununguense, tão querido e admirado por todos, que inscreveu seu nome e sua obra na história da nossa Cultura Caipira.

Deixe uma resposta